Tags

, , , , ,

“Seja como os pássaros que pousam um instante sobre ramos muito leves, sentem-os ceder, mas cantam! Eles sabem que possuem asas.” (Victor Hugo)

Noite Sacra é um evento idealizado pela área de canto do Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Caparelli. Nesse ano de 2019 ele foi apresentado no mês de Julho nas Igrejas Nossa Senhora do Rosário e São Cristóvão em Uberlândia.

A Música Sacra é a música erudita própria da tradição religiosa cristã católica e ortodoxa. É sinônimo de música litúrgica, que é própria para missas e ritos religiosos. Ela pode ser compreendida em sentido mais limitado, denotando a música de natureza erudita inerente à tradição judaico-cristã ou ser percebida em seu significado mais amplo, referindo-se a toda música executada nas cerimonias de toda e qualquer religião não sendo profana, criada para animar os sentimentos humanos da natureza do sagrado e da espiritualidade.

A expressão “Sacra” foi criada pela primeira vez durante a Idade Média, quando se decidiu que deveria haver uma teoria musical distinta para a música das missas e a música do culto, e tem em sua forma mais antiga o canto gregoriano. A música sacra foi desenvolvida em todas as épocas da história da música ocidental, desde o Renascimento (Arcadelt, Des Près, Palestrina), passando pelo Barroco (Vivaldi, Bach, Haendel), pelo Classicismo (Haydn, Mozart, Nunes Garcia), pelo Romantismo (Bruckner, Gounod, César Franck, Saint-Saëns) e finalmente o Modernismo (Penderecki, Amaral Vieira).

Para que se defina uma canção como de natureza sacra a música deve: disseminar um ponto de vista autêntico sobre a Divindade; transmitir no conteúdo uma revelação presente na Bíblia e na doutrina de cada religião; estimular a vivência do testemunho de Jesus; ser completamente oposta à música profana; conter uma oração em sua essência, justificando como arremate final o amém; submeter a técnica musical aos fatores religiosos; ajudar o crente a perceber suas imperfeições com clareza; levar o devoto a perceber o significado do seu próprio sacrifício no desenvolvimento de sua fé; incentivar a emergência das emoções espirituais que levam o Homem a louvar o Criador; atuar apenas como meio de glorificação divina, não como entretenimento – máxima extraída das palavras do compositor Sebastian Bach.

Há, contudo, um detalhe importante. Para que a mente humana possa apreciar a música composta de acordo com as leis da melodia, harmonia, ritmo e volume, é preciso que essa mesma mente seja estruturada, ordenada também de acordo com essas leis. Se a mente está desorganizada, desestruturada, acostumada às alterações e desvios das regras, vai não só estranhar, mas rejeitar o que foi composto seguindo-se as leis. Quem está acostumado à música rock, por exemplo, não aprecia a música clássica. Esta vai lhe parecer estranha e de mau gosto.

Para apreciar música de boa qualidade é necessário que a mente seja educada para isso. A música faz parte do culto a Deus nas cortes celestiais e deveríamos nos esforçar, em nossos cânticos de louvor, a aproximarmos tanto quanto possível à harmonia dos coros celestiais.

A Música Sacra deve possuir beleza, poder e faculdade de comover. O evento Noite Sacra proporcionou tudo isso, foi um momento de apreciação, emoção e adoração.

Aprecie você também o evento Noite Sacra realizado pelo Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Capparelli em Uberlândia:

 

Anúncios